Rock Brasil



Influenciados pelo punk e pelo rock mais pesado, o IRA! e os Titãs trilharam caminhos parecidos. Ambas tiveram como característica os altos e baixos nos números de vendas de discos. Além disso, uma curiosidade que liga especialmente as duas bandas: em 1985, Titãs e IRA! trocam de bateristas, saindo Charles Gavin do IRA! e indo para os Titãs, e André Jung fazendo a trajetória inversa. Jung foi baterista do IRA! até 2007, ano que a banda encerrou suas atividades, e Charles fez parte dos Titãs até o início de 2010. O Movimento Punk foi crucial nos anos 80 principalmente em São Paulo o Restos de Nada aparece no final dos anos 70 inicio dos anos 80 logo depois se dissolve e Clementegrande precursor do punk que tocava guitarra na banda forma Inocentes que teve grandes sucessos como "Panico Em SP","Patria Amada" entre outros teve o Cólera que além de ser uma das bandas punks e independentes mais vendidas foi a primeira banda independente a fazer uma tour de shows pela Europa o que mostrou que sabendo produzir um álbum sozinho e tendo selo independente é possível alcançar o sucesso o primeiro álbum punk e lançado em 84 pelo Ratos de Porão liderado por nada mais nada menos que o apresentador de tv João Gordo entre muitas outras que ficaram famosas foi o auge do movimento punk um dos eventos mais polemicos dos anos 80 foi O Começo do Fim do Mundo onde várias gangues punks se reuniram,sobre o cenário do rock em geral em São Paulo uma banda importante no cenário do metal uma das primeiras e que abriu as portas para o talentoso André Mattos foi o Viper fundada em meados dos anos 80, mais tendo seu auge com a saída do André Mattos nos anos 90.

O Ultraje a Rigor, a exemplo do Barão Vermelho no Rio de Janeiro, apostou todas as fichas na força do puro rock'n roll. Mas as duas bandas tinham uma grande diferença. Enquanto a banda liderada por Cazuza e Roberto Frejat calcava a carreira cada vez mais na seriedade de suas letras (que questionavam, entre outros assuntos, as condições da sociedade da época), a banda liderada por Roger Moreira falava destes problemas com ironia e um deboche escrachado. Músicas como "Inútil" - citada até pelo político Ulisses Guimarães na época das "Diretas Já" - viraram hinos da juventude bem humorada e cansada dos tempos difíceis da ditadura, tanto pelo aspecto econômico quanto por outros problemas que cresceram no país, durante os anos 80. Curiosidade: o riff de guitarra de "Inútil" foi composto pelo guitarrista da banda na época, Edgar Scandurra, que depois se tornaria guitarrista e principal compositor do IRA!. São Paulo trouxe à tona também o maior fenômeno de vendas das bandas dos anos 80.

O RPM, liderado pelo carisma do vocalista Paulo Ricardo, quebrou recordes de vendagens de discos e de shows no país, em um fenômeno nunca antes visto em terras brasileiras. Faixas como “Rádio Pirata”, “Louras Geladas”, “Olhar 43” e “A Cruz e a Espada”, do primeiro disco da banda, "Revoluções Por Minuto", foram sucessos em rádios de todo o Brasil. Para aproveitar o sucesso, um ano depois do primeiro disco eles lançam “Rádio Pirata Ao Vivo”. As versões ao vivo de músicas já consagradas do primeiro álbum, mais faixas inéditas (“Alvorada Voraz”) e covers (“London London”, de Caetano Veloso) agradaram em cheio o público, fazendo com que o álbum vendesse 2,2 milhões de cópias. As características da banda são baseadas na mescla de teclados,sintetizadores, guitarras e baterias eletrônicas em alguns momentos, aliados ao vocal carismático de Paulo Ricardo, que virou símbolo sexual da época. O Rio Grande do Sul, apesar de afastado do eixo Rio - São Paulo, revelou bandas importantes do cenário rock dos anos 80. Os destaques foram as bandas Engenheiros do Hawaii e Nenhum de Nós.



Os Engenheiros do Hawaii surgem no ano de 1984 e, em 1986, lançam o disco “Longe Demais das Capitais”. As letras do vocalista Humberto Gessinger chamaram a atenção pela crítica ácida aos padrões da sociedade da época e, durante os discos seguintes da banda, arrebanharam milhões de fãs fiéis em todo o país. Durante a década, a característica principal da sonoridade dos Engenheiros era o entrosamento dos três integrantes. Humberto Gessinger, que assume o baixo no segundo disco, "A Revolta dos Dândis", de 1987; Augusto Licks, guitarrista que se junta à banda depois do lançamento do primeiro disco; e Carlos Maltz, baterista, eram os músicos que tinham como influências bandas como "Pink Floyd", "Rush", "Emerson, Lake and Palmer", misturando, em algumas músicas, o rock com as sonoridades tradicionais gaúchas do estado do Rio Grande do Sul.

Comentários